Chris Hoy pendura as sapatilhas.

Com 11 títulos e 25 medalhas em Campeonatos do Mundo, Hoy subiu sete vezes ao pódio olímpico entre Sydney 2000 e Londres 2012, igualando o número de medalhas do também britânico Bradley Wiggins nos Jogos, embora este com apenas quatro de ouro.

Chris Hoy festeja uma das suas medalhas olímpicas.

O britânico Chris Hoy, o ciclista mais galardoado em Jogos Olímpicos, anunciou esta quinta-feira a sua retirada, aos 37 anos, oito meses depois de ter conquistado as suas últimas duas medalhas de ouro olímpicas em Londres 2012.

“Anuncio oficialmente a minha retirada do ciclismo internacional. É uma decisão que não tomei de ânimo leve. É algo em que pensei bastante, com a ajuda da minha família e dos meus treinadores”, afirmou o escocês numa conferência de imprensa em Edimburgo, sua terra natal.

Figura maior do ciclismo de pista, Sir Christopher Andrews Hoy conquistou o ouro nas provas de sprint por equipas e de keirin em Londres, passando a contar seis medalhas de ouro e uma de prata em Jogos Olímpicos, e anunciou que iria guardar algum tempo antes de tomar uma decisão sobre o seu futuro.

Depois de suplantar o remador Steve Redgrave no estatuto de mais bem-sucedido atleta britânico em Jogos Olímpicos, o escocês ponderava a hipótese de retirar-se após os Jogos de Commonwealth de 2014, em Glasgow, cujas provas de ciclismo de pista vão realizar-se no Velódromo Sir Chris Hoy, mas esta quinta-feira manifestou-se incapaz de continuar a competir ao mais alto nível.

“Eu esgotei as últimas gotas de energia que tinha. Cheguei a Londres e tive sucesso, mas não tive a noção de quanto Londres exigiu de mim. Continuar por mais um ano seria um ano muito longo. Eu não quero aparecer só para acenar aos adeptos e vestir o equipamento”, afirmou.

“Queria competir e ganhar uma medalha para a Escócia, mas, porque penso que não serei capaz de o fazer, quis que alguém fosse no meu lugar”, acrescentou Hoy, que se iniciou no ciclismo na vertente BMX, entre os sete e os 14 anos, chegando a ser nono do ranking mundial.

Questionado sobre o melhor momento da sua carreira, Hoy apontou para a sua primeira medalha de ouro olímpica, em Atenas 2004, e para a última, em Londres.

“Atenas. Subir ao pódio, ouvir o meu nome e de seguida ouvir ‘campeão olímpico’. Para mim, aquilo era a minha carreira. Pensava que nada se podia comparar com isso, mas, em Londres, terminar a minha carreira com a minha sexta medalha de ouro, no keirin, foi verdadeiramente especial”, contou.

fonte: http://www.publico.pt/desporto/

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades, Informações Gerais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s